terça-feira, 19 de setembro de 2017

Pesquisa CNT: Lula é favorito e vence em todos os cenários para 2018

 

RICARDO STUCKERT

247 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é o favorito dos eleitores brasileiros para 2018. Pesquisa CNT/MDA, divulgada nesta terça-feira (19), mostra que Lula lidera as intenções de voto em todos os cenários avaliados. A intenção de voto estimulada em Lula varia, nos três cenários, entre 32% e 32,7% para o primeiro turno. No segundo turno, a intenção de voto estimulada fica entre 39,8% e 42,8%.

No levantamento que aponta a intenção de voto espontânea, Lula fica à frente dos demais nomes com 20,2% no primeiro turno. O segundo colocado é Jair Bolsonaro, com 10,9%. Na pesquisa divulgada em fevereiro deste ano, o ex-presidente tinha 16,6% das intenções de voto.

O levantamento foi realizado entre os dias 13 e 16 de setembro de 2017 e ouviu 2.002 entrevistados. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais com 95% de nível de confiança.

Veja todos os cenários:

1º turno: Intenção de voto espontânea

Lula: 20,2%
Jair Bolsonaro: 10,9%
João Doria: 2,4%
Marina Silva: 1,5%
Geraldo Alckmin: 1,2%
Ciro Gomes: 1,2%
Álvaro Dias: 1,0%
Dilma Rousseff: 0,7%
Michel Temer: 0,4%
Aécio Neves: 0,3%
Outros: 2,0%
Branco/Nulo: 21,2%
Indecisos: 37,0%

1º turno: Intenção de voto estimulada

CENÁRIO 1: Lula 32,4%, Jair Bolsonaro 19,8%, Marina Silva 12,1%, Ciro Gomes 5,3%, Aécio Neves 3,2%, Branco/Nulo 21,9%, Indecisos 5,3%.

CENÁRIO 2: Lula 32,0%, Jair Bolsonaro 19,4%, Marina Silva 11,4%, Geraldo Alckmin 8,7%, Ciro Gomes 4,6%, Branco/Nulo 19,0%, Indecisos 4,9%.

CENÁRIO 3: Lula 32,7%, Jair Bolsonaro 18,4%, Marina Silva 12,0%, João Doria 9,4%, Ciro Gomes 5,2%, Branco/Nulo 17,6%, Indecisos 4,7%.

2º turno: Intenção de voto estimulada

CENÁRIO 1: Lula 41,8%, Aécio Neves 14,8%, Branco/Nulo: 39,6%,
Indecisos: 3,8%.

CENÁRIO 2: Lula 40,6%, Geraldo Alckmin 23,2%, Branco/Nulo: 31,9%, Indecisos: 4,3%.

CENÁRIO 3: Lula 41,6%, João Doria 25,2%, Branco/Nulo: 28,8%,
Indecisos: 4,4%.

CENÁRIO 4: Lula 40,5%, Jair Bolsonaro 28,5%, Branco/Nulo: 27,0%,
Indecisos: 4,0%.

CENÁRIO 5: Lula 39,8%, Marina Silva 25,8%, Branco/Nulo: 31,3%,
Indecisos: 3,1%.

CENÁRIO 6: Jair Bolsonaro 28,0%, Geraldo Alckmin 23,8%, Branco/Nulo: 40,6%, Indecisos: 7,6%.

CENÁRIO 7: Marina Silva 28,4%, Geraldo Alckmin 23,6%, Branco/Nulo: 41,5%, Indecisos: 6,5%.

CENÁRIO 8: Jair Bolsonaro 32,0%, Aécio Neves 13,9%, Branco/Nulo: 46,4%, Indecisos: 7,7%.

CENÁRIO 9: Marina Silva 33,6%, Aécio Neves 13,0%, Branco/Nulo: 47,3%, Indecisos: 6,1%.

CENÁRIO 10: Jair Bolsonaro 28,5%, João Doria 23,9%, Branco/Nulo: 39,2%, Indecisos: 8,4%.

CENÁRIO 11: Marina Silva 30,5%, João Doria 22,7%, Branco/Nulo: 39,9%, Indecisos: 6,9%.

CENÁRIO 12: Marina Silva 29,2%, Jair Bolsonaro 27,9%, Branco/Nulo: 36,7%, Indecisos: 6,2%.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/318004/Pesquisa-CNT-Lula-%C3%A9-favorito-e-vence-em-todos-os-cen%C3%A1rios-para-2018.htm

Em alta nas pesquisas, Lula vira réu de novo


RICARDO STUCKERT

247 – No mesmo dia em que pesquisa CNT/MDA apontou o ex-presidente Lula eleito presidente pela terceira vez, se as eleições fossem hoje (leia aqui), o Poder Judiciário deu sua resposta: a Justiça Federal em Brasília aceitou a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra Lula e o ex-ministro Gilberto Carvalho por corrupção passiva em um dos processos da Operação Zelotes.

Abaixo reportagem da Agência Brasil:

André Richter - repórter da Agência Brasil

A Justiça Federal em Brasília aceitou hoje (19) denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro Gilberto Carvalho por corrupção passiva em um dos processos da Operação Zelotes. Com a decisão, proferida pelo juiz federal Vallisney de Oliveira, os acusados se tornam réus no processo.

De acordo com a denúncia, Lula, Carvalho e mais cinco investigados são acusados de beneficiar montadoras de veículos por meio da edição de medidas provisórias. As empresas automobilísticas teriam prometido R$ 6 milhões a Lula e Carvalho em troca de benefícios para o setor, afirmam os procuradores do caso.

"Diante de tal promessa, os agentes públicos, infringindo dever funcional, favoreceram as montadoras de veículos MMC [Mitsubishi] e Caoa ao editarem, em celeridade e procedimento atípicos, a Medida Provisória n° 471, em 23/11/2009, exatamente nos termos encomendados, franqueando aos corruptores, inclusive, conhecimento do texto dela antes de ser publicada e sequer numerada, depois de feitos os ajustes encomendados", afirma o MPF.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/318101/Em-alta-nas-pesquisas-Lula-vira-r%C3%A9u-de-novo.htm

Instável, Geddel já preocupa Planalto com sua possível delação


Polícia Federal | REUTERS

247 - O Palácio do Planalto se preocupa hoje mais com a possibilidade de o ex-ministro Geddel Vieira Lima, preso desde o dia 8, fechar um acordo de delação premiada do que com a nova denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República na semana passada contra  Michel Temer.

Em relação a Geddel, a avaliação no Planalto é de que a situação é “praticamente incontornável” depois que a Polícia Federal encontrou R$ 51 milhões em espécie em um apartamento em Salvador, onde foram identificadas as impressões digitais do ex-ministro.

A apreensão do dinheiro, entretanto, segundo os investigadores, jogou por terra o discurso da defesa de que as acusações eram versões de delatores interessados em benefícios. Os R$ 51 milhões materializaram as provas necessárias para sustentar as afirmações dos colaboradores. A homologação da delação de Funaro fortaleceu a tese da acusação contra Geddel.

Além disso, o ex-diretor de Defesa Civil de Salvador Gustavo Pedreira, apontado como homem de confiança de Geddel, cujas impressões digitais também foram encontradas no apartamento, afirmou estar disposto a colaborar com as investigações. Ele já confirmou ter buscado dinheiro em São Paulo a pedido de Geddel. Não está descartada a possibilidade de o ex-ministro ser alvo de outras denúncias.

Distanciamento. Geddel, ao lado de Temer, fazia parte do núcleo duro do PMDB, que inclui os atuais ministros e também denunciados Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral). O Planalto avalia que Geddel é temperamental e emotivo e, por isso, não aguentaria muito tempo na prisão. Essas características, disse um auxiliar, podem aumentar ainda mais as chances de o ex-ministro fornecer informações em troca de benefícios.

As informações são de reportagem de Carla Araújo e Tânia Monteiro no Estado de S.Paulo.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/poder/317925/Inst%C3%A1vel-Geddel-j%C3%A1-preocupa-Planalto-com-sua-poss%C3%ADvel-dela%C3%A7%C3%A3o.htm

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Zanin: o que liga a Lava Jato aos EUA?

Janot vê escroques no poder em mensagem final


Fellipe Sampaio/ SCO/ STF e Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

247 - Em seus últimos minutos como chefe do Ministério Público, pouco antes da meia noite deste domingo (17), Rodrigo Janot mandou a última mensagem aos procuradores, na qual afirma que "escroques" ainda ocupam cargos no país.

"Precisamos acreditar nessa ideia e trabalhar incessantemente para retomar os rumos deste país, colocando-o a serviço de todos os brasileiros, e não apenas da parcela de larápios egoístas e escroques ousados que, infelizmente, ainda ocupam vistosos cargos em nossa República."

Rodrigo Janot apresentou duas denúncias contra Michel Temer, a quem acusou de corrupção, obstrução de Justiça e organização criminosa, além de ter pedido a prisão de Aécio Neves, apresentando fortes indícios de corrupção do tucano.

Na mensagem, enviada pelo sistema interno do Ministério Público, Janot deseja boa sorte à sucessora, Raquel Dodge, mas destaca que não vai transmitir o cargo e enfatiza que assumiu a Procuradoria-Geral da República depois de ser eleito o primeiro na lista tríplice da categoria –ela ficou em segundo lugar e foi indicada ppr Michel Temer. O mais votado foi o subprocurador Nicolao Dino, aliado de Janot.

"Construí, com um grupo de colegas, o projeto que foi submetido, em 2013, ao crivo da lista tríplice. Os membros do MPF confiaram em mim e nas ideias de inovação que minhas propostas representavam. Fui então o primeiro da lista tríplice."

As informações são de reportagem de Letícia Casado na Folha de S.Paulo.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/poder/317716/Janot-v%C3%AA-escroques-no-poder-em-mensagem-final.htm

Ao lado de investigados, Dodge diz que ninguém está acima ou abaixo da lei


Reprodução | Agência Brasil

Brasília 247 – A nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, tomou posse nesta manhã, ao lado de três investigados. Um deles, Michel Temer, denunciado por corrução, obstrução judicial e comando de organização criminosa – o quadrilhão do PMDB. Outros, os presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Eunício Oliveira (PMDB-CE), acusados de receber propinas da Odebrecht. Eunício era chamado de "Índio" e Maia de "Botafogo" nas planilhas da empreiteira.

– Ninguém pode estar acima ou abaixo da lei – disse Dodge, em seu discurso.

Na fala, ela reproduziu uma frase que tem sido repetida com frequência pela presidente deposta Dilma Rousseff, citando como exemplo o fato de ela e o ex-presidente Lula terem sido colocados "abaixo da lei".

Dilma, por exemplo, não pôde nomear Lula como seu ministro da Casa Civil. Meses depois, o Supremo Tribunal Federal autorizou que Michel Temer nomeasse Moreira Franco, numa situação idêntica.

– O Brasil passa por um momento de depuração – afirmou a nova procuradora-geral, lembrando que é necessário ter harmonia entre as instituições.

Segundo ela, o Ministério Público deve zelar pela dignidade de cada pessoa.

- Veja matéria da Agência Brasil:

Raquel Dodge acaba de assumir a Procuradoria-Geral da República e a presidência do Conselho Nacional do Ministério Público. O termo de possse foi assinado por ela e pelo presidente Michel Temer, em cerimônia da PGR. O ex-procurador-geral, Rodrigo Janot não participa da cerimônia.

Em seu discurso de posse, Dodge disse que o Ministério Público tem “o dever de cobrar dos que gerenciam o gasto público que o façam de modo honesto, eficiente e probo, ao ponto de restabelecer a confiança das pessoas nas instituições de governança”.

Sobre este assunto, ela citou uma fala do papa Francisco, na qual o pontífice ensina que “a corrupção não é um ato, mas uma condição, um estado pessoal e social, no qual a pessoa se habitua a viver”, disse.

“O corrupto está tão fechado e satisfeito em alimentar a sua autosuficiência que não se deixa questionar por nada nem por ninguém. Constituiu uma autoestima que se baseia em atitudes fraudulentas. Passa a vida buscando os atalhos do oportunismo, ao preço de sua própria dignidade e da dignidade dos outros. A corrupção faz perder o pudor que protege a verdade, a bondade e a beleza”, acrescentou.

Segundo Dodge, não têm faltado meios orçamentários nem instrumentos jurídicos para que o MP cumpra seu papel constitucional. “Estou certa de que o MP continuará a receber do Poder Executivo e do Congresso Nacional o apoio indispensável ao aprimoramento das leis e das instituições republicanas e para o exercício de nossas atribuições”.

Ela destacou que o MP tem o dever desempenhar bem todas suas funções, uma vez que elas são necessárias para muitos brasileiros. “A situação continua difícil pois [os brasileiros] estão expostos à violência e à insegurança pública, recebem serviços públicos precários, pagam impostos elevados, encontram obstáculos no acesso à Justiça, sofrem os efeitos da corrupção, têm dificuldade de se auto-organizar, mas ainda almejam um futuro de prosperidade e paz social”.

A nova procuradora-geral também indicou que o Ministério Público deve trabalhar para todos igualmente. "O Ministério Público deve promover justiça e promover democracia, zelar pelo bem comum e pelo meio ambiente, assegurar voz a quem não a tem e garantir que ninguém esteja acima e ninguém esteja abaixo da lei", afirmou.

Membro do Ministério Público Federal desde 1987, Raquel Dodge é primeira mulher a exercer o cargo de procuradora-geral da República. Para vice-procurador-geral da República, ela escolheu o subprocurador-geral da República Luciano Maris Maia. Ela foi indicada na lista tríplice enviada ao presidente da República após eleição da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR). Raquel Dodge foi a segunda mais votada, ficando atrás de Nicolao Dino. Em julho, ela foi aprovada pelo plenário do Senado por 74 votos a 1 e uma abstenção.

Rodrigo Janot, que deixa o cargo, não compareceu à posse. De acordo com dados referentes ao segundo período de Janot na Procuradoria, que comandou de 2013 a 2017, na área criminal, que envolve a Operação Lava Jato, foram feitos 242 pedidos de abertura de inquérito, 98 pedidos de busca e apreensão, de interceptações telefônicas e quebras de sigilo bancário e 66 denúncias foram enviadas à Justiça (inclusive duas contra o presidente Temer).

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/317753/Ao-lado-de-investigados-Dodge-diz-que-ningu%C3%A9m-est%C3%A1-acima-ou-abaixo-da-lei.htm

PSDB decide apoiar a “quadrilha” de Temer e rejeitar denúncia


Agência Brasil

247 - O PSDB se prepara para fincar de vez sua âncora no governo golpista de Michel Temer junto com seu "quadrilhão", como definiu o inquérito da Polícia Federal. Os tucanos estão garantindo a Temer que vão trabalhar para rejeitar a nova denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) contra o peemedebista.

A jornalista Andrei Sadi disse em seu blog que os deputados do PSDB já têm o discurso pronto para justificar a defesa de Temer: a denúncia de Rodrigo Janot "não é suficiente" para provocar uma "ruptura" no cenário político em meio à discussão sobre as reformas econômicas.

Os tucanos, no entanto, admitem que o motivo maior é não causar turbulências a um ano da eleição para presidente da República. Na primeira denúncia contra Michel Temer, a bancada do PSDB rachou no plenário: foram 22 votos contra a denúncia, e 21 a favor.

Para retribuir a proteção do PSDB, Temer está afirmando que vai manter no cargo o ministro tucano Antonio Imbassahy.

Denúncia

Desta vez, a procuradoria acusa o presidente de organização criminosa e obstrução da Justiça. Temer é acusado de ter participado, desde 2002, de um grupo responsável pelo desvio de R$ 587 milhões. A partir de 2016, ele teria passado para um papel de liderança. A denúncia afirma que ele "dava a necessária estabilidade e segurança ao aparato criminoso, figurando ao mesmo tempo como cúpula e alicerce da organização". As acusações têm por base gravações, grampos telefônicos e delações.

No documento de 245 páginas, Janot descreve como o grupo de Temer teria cobrado propina para que empresas conseguissem contratos com estatais e ministérios controlados pelo PMDB. Apenas no caso da Petrobras, o esquema teria causado prejuízo de R$ 29 bilhões. Ainda há uma acusação por obstrução da Justiça contra Temer por suspeita de que ele conspirou com o empresário Joesley Batista para comprar o silêncio de Lúcio Funaro, um operador de propinas do PMDB que está preso.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/poder/317798/PSDB-decide-apoiar-a-%E2%80%9Cquadrilha%E2%80%9D-de-Temer-e-rejeitar-den%C3%BAncia.htm

Cunha recebeu R$ 57 mi de Funaro já depois da Lava Jato, diz PF


Ag. Brasil e Lula Marques/Ag. PT

247 - Um relatório elaborado pela Polícia Federal indica que o corretor de valores e delator Lúcio Funaro, preso em Brasília, pagou ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) R$ 56,9 milhões mesmo depois de a Lava Jato ter sido deflagrada, em março de 2014.

O valor corresponde ao que foi registrado em planilhas apreendidas na casa da irmã do corretor. "

Do valor pago durante a Lava Jato, R$ 1,3 milhão foram entregues por Funaro quando Cunha era o presidente da Câmara dos Deputados, em 2015.

As informações extraídas de material apreendido foram comparadas com declarações que o próprio Funaro forneceu à PF na fase de negociações para seu acordo de delação.

Os pagamentos, segundo o relatório que foi anexado à denúncia feita na semana passada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o que chamou de "quadrilha do PMDB", ocorreram na maior parte das vezes por entregas em espécie ao auxiliar de Cunha chamado Altair Pinto, investigado em outras fases da Lava Jato.

Mais pagamentos ocorreram por meio de depósitos a empresas e "laranjas" vinculados ao doleiro Claudio Fernando Barbosa. Também houve entregas por meio de Sidney Roberto Szabo, que trabalhou para o fundo de pensão dos servidores da Cedae, companhia de águia e esgoto do Rio de Janeiro.

Funaro fazia pagamentos de boletos em nome de empresas ou depositava em contas de "laranjas", o que gerava um crédito dele junto ao doleiro, que depois fazia o saque em espécie e gerava o caixa para a propina.

As informações são de reportagem de Rubens Valente na Folha de S.Paulo.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/poder/317717/Cunha-recebeu-R$-57-mi-de-Funaro-j%C3%A1-depois-da-Lava-Jato-diz-PF.htm

Odebrecht pagou propinas ao PMDB após reunião decisiva com Temer

 

REUTERS

247 - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, cruzou datas de reuniões relatadas por delatores da Odebrecht com as de pagamentos supostamente feitos pela empreiteira em benefício de Michel Temer e de peemedebistas, traçando assim a rota da propina do PMDB.

Os valores são oriundos de contrato de US$ 825 milhões entre a construtora e a área Internacional da Petrobrás, segundo os colaboradores. Janot ressalta que depósitos realizados no exterior pela empreiteira supostamente em benefício do PMDB foram feitos em datas próximas a uma reunião em que Temer teria comparecido, ao lado de executivos e também dos ex-presidentes da Câmara, Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves.

Comprovantes de pagamentos no exterior, planilhas e os relatos dos executivos da empreiteira embasam a denúncia contra o ‘quadrilhão do PMDB’, supostamente liderado pelo presidente e integrado pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima, os ex-presidentes da Câmara Henrique Eduardo Alves e Eduardo Cunha, o ex-assessor especial de Temer, Rodrigo Loures, e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco.

Somando todos os supostos esquemas dos peemedebistas, o procurador-geral chegou à cifra de R$ 587 milhões em propinas.

As informações são de reportagem de Luiz Vassalo e Julia Affonso no Estado de S.Paulo.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/247/poder/317746/Odebrecht-pagou-propinas-ao-PMDB-ap%C3%B3s-reuni%C3%A3o-decisiva-com-Temer.htm

Cenas de realismo fantástico no Brasil

Agência Brasil | Divulgação-PF

Michel Temer não deixa de ter certa razão ao dizer que o Brasil vive momentos de realismo fantástico.

Eis alguns exemplos:

* A Polícia Federal e a procuradoria-geral da República apontam que a República Bananeira do Brasil é governada por uma quadrilha, chefiada por Temer e integrada pelos ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco, e não se ouvem panelas. Detalhe: os desvios teriam somado R$ 587 milhões nos últimos anos. Pouca coisa.

* Um dos integrantes dessa quadrilha, Geddel Vieira Lima, pivô da maior apreensão de dinheiro sujo da história do Brasil, com os R$ 51 milhões encontrados no seu bunker em Salvador, pede prisão domiciliar. O motivo? O risco de ser estuprado na penitenciária da Papuda.

* Ministro da Fazenda de um governo rejeitado por mais de 90% dos brasileiros, Henrique Meirelles diz que a denúncia do quadrilhão não impede a aprovação da reforma da Previdência, também amplamente rejeitada por esse sujeito irrelevante da história brasileira chamado povo. E mais: Meirelles se lança à presidência apostando na recuperação da economia – uma alta de impressionantes 0,2% do PIB!!!

* Responsável pela denúncia do quadrilhão, o procurador Rodrigo Janot afirma que o impeachment teve como principal motivação estancar a sangria da Lava Jato, sendo, portanto, um golpe a favor da corrupção – aliás, como já havia sido dito pelo senador Romero Jucá (PMDB-RR). No mesmo dia, no entanto, ele se posiciona contra a anulação desse processo. Ou seja: foi golpe, mas dane-se.

* Adversário de Janot, o ministro Gilmar Mendes afirma que o Ministério Público vive um estado de putrefação, mas, no dia do julgamento da suspeição do procurador-geral no Supremo Tribunal Federal, ele não comparece, alegando compromissos mais importantes. Gilmar também diz ter certeza de ter sido gravado pelo empresário Joesley Batista sobre patrocínios ao seu Instituto de Direito Público.

* Depois de terem assinado um acordo com a procuradoria-geral da República, os irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, são presos. Ou seja: o Estado brasileiro roeu a corda e quebrou um contrato com dois de seus colaboradores.

* O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, é também acusado de ter pago mesadas a deputados, de obstruir a Justiça e de ter comprado conselheiros do tribunal de contas do seu estado, mas nada acontece. Ele continua ministro.

* Políticos moralistas que há pouco tempo diziam ter sido derrotados por uma organização criminosa se calam sobre o quadrilhão que governa o País.

Macondo, de fato, não seria páreo para o realismo fantástico brasileiro. Todos os exemplos acima são pequenos fragmentos que mostram como as instituições estão funcionando perfeitamente no Brasil – o país que se converteu numa gigantesca vergonha planetária.

Fonte: https://www.brasil247.com/pt/blog/leonardoattuch/317553/Cenas-de-realismo-fant%C3%A1stico-no-Brasil.htm